Notícias 

veja-mais

A IGREJA VIVA EM COMUNHÃO – João 6:56

Um dos principais momentos em que se celebra a comunhão do povo de Deus é o exercício espiritual de participar da Ceia do Senhor.

Participar com dignidade da mesma significa participar discernindo o Corpo do Senhor, entendendo o significado do sacrifício de Cristo e amando os demais crentes como o Corpo de Cristo (Filipenses 1:27-28).

 O Art. VIII do Cap. 29 da Confissão de Fé de Westminster nos ensina que: Ainda que os ignorantes e os ímpios recebam os elementos visíveis deste sacramento, não recebem a cousa por eles significada, mas, pela sua indigna participação, tornam-se réus do corpo e do sangue do Senhor para a sua própria condenação; portanto eles como são indignos de gozar comunhão com o Senhor, são também indignos da sua mesa, e não podem, sem grande pecado contra Cristo, participar destes santos mistérios nem a eles ser admitidos, enquanto permanecerem nesse estado. Não se trata de discriminação de pessoas, mas, sim, de uma dura realidade diante da tristeza do pecado, pois, se ainda não foi rejeitado no coração humano, impede os benefícios espirituais da comunhão com Deus e com os Seus filhos. Por isso, é preciso um auto-exame que não pode ocorrer somente durante o culto de Ceia, mas, sempre, com perseverança e sem medo (I Coríntios 11:28-32).

 Somos chamados a vivermos uma vida genuína de comunhão entre nós como resultado da comunhão que já devemos desfrutar com Deus, por isso, ao participarmos com discernimento da Ceia estamos testemunhando que nossas vidas são marcadas por um compromisso que se renova em busca da edificação da igreja, enquanto anunciamos a volta de Jesus (I Corintios 11:26).

 Ter uma visão equilibrada da vida de comunhão como igreja de Cristo Jesus significa entender que todos os seus membros são igualmente filhos do mesmo Deus que percorrem o caminho que só o pecador pode percorrer, não o perfeito, porque o Salvador veio chamar os doentes, não os sãos, veio chamar os perdidos e não os perfeitos, veio chamar todos aqueles que sabem que são pecadores, mas que se colocam diante de Deus e dos irmãos de forma sincera, bebendo da mesma fonte de perdão e restauração.

 Quero concluir repetindo algo de um texto de autoria anônima: Prostrados diante do Senhor, confessando a nossa fraqueza, sem coroas nas cabeças, cientes de nossa condição – é vida de poder se aperfeiçoando na fraqueza, o mundo se impacta com a vida de joelhos diante de Deus e em completa comunhão com Ele e entre nós.

 Podemos demonstrar a comunhão que temos com Deus, vivendo em comunhão com nossos irmãos (I João 1:6-7).

Que assim seja na prática. A cada dia. Em qualquer circunstâncias.

Amém!

(Pr. Elizeu Dourado de Lima)

Av. Visconde do Rio Branco, 1636
Centro - 60055-170
Fortaleza - Ceará - Brasil
85 3052.2525
TIM 85 9955.0164
OI 85 8547.1511
ipb-logo
Desenvolvimento: iativa-logo